julho 24, 2020

Carnaval de SP é adiado e “novo modelo” deve acontecer entre maio e junho de 2021

Por Luiz Teixeira

“Carnaval nos mesmos moldes de costume é impossível, já pensamos em adaptações. O que toma muito tempo e suporte financeiro é o preparo de fantasia e alegoria”. A afirmação acima é do prefeito de São Paulo, Bruno Covas, que decidiu adiar as festas de rua e todos os desfiles das escolas de samba de 2021 devido à pandemia do coronavírus.

A nova data ainda não foi definida, mas, no caso dos desfiles, a Liga das Escolas de Samba de São Paulo está propondo que o Carnaval de 2021 seja feito a partir do final de maio ou começo de julho, em data ainda a definir, mas com a presença do público nas arquibancadas.

Considerado um dos maiores do país, o carnaval de São Paulo, só em 2020, bateu o recorde de público e de número de blocos: foram mais de 15 milhões de pessoas nas ruas espalhados em 600 blocos. Só esse ano, a prefeitura gastou R$ 36,6 milhões e houve um retorno financeiro de quase R$ 2,5 bilhões para a cidade.

“Estamos definindo tanto com os blocos quanto com as escolas e com as outras cidades a nova data que deve se dar a partir de maio do ano que vem. Muito dificilmente ocorrerá em junho porque coincide com os festivais de São João no Nordeste. Estamos definindo ou final de maio, ou começo de junho para realização do carnaval na idade de São Paulo”, afirmou Covas (PSDB), em coletiva de imprensa no Palácio dos Bandeirantes, Zona Sul de São Paulo, nesta sexta-feira (24).

Sobre as escolas de samba, todas as 14 agremiações do Grupo Especial já estão em processo final de escolha de samba-enredo e preparação para o carnaval de 2021, já estudando, é claro, a possibilidade da realização em maio.