“Paulinho da Viola encontra Marisa Monte” estende turnê após sucesso de público; confira agenda

“Paulinho da Viola encontra Marisa Monte” estende turnê após sucesso de público; confira agenda

Sucesso unânime de público e crítica, o show Paulinho da Viola encontra Marisa Monte voltará à cena de setembro a novembro deste ano, ganhando mais dez apresentações em oito capitais do Brasil para atender à intensa demanda dos fãs. Histórico acontecimento da música brasileira que mobilizou o público no primeiro semestre deste ano de 2017, o reencontro de Paulinho da Viola com Marisa Monte em show inédito passa essencialmente pela nobreza do samba. Ambos são naturais do Rio de Janeiro (RJ), cidade-berço dessa cadência bonita. Ambos estão envolvidos com o passado glorioso da Portela, pioneira agremiação carnavalesca carioca que gerou alguns dos maiores bambas do Brasil. Ambos são cantores, compositores e músicos que interpretam, fazem e tocam samba, entre outros ritmos.

A rota inicial da turnê incluía somente shows nas cidades de São Paulo (SP), Rio de Janeiro (RJ) e Belo Horizonte (MG), mas a lotação previamente esgotada de todas as apresentações e os incessantes pedidos de apresentações em outras cidades motivaram a sua extensão. Os artistas seguirão na estrada por mais três meses, se apresentando em Recife (01/09, Classic Hall); Fortaleza (02/09, Centro de Eventos do Ceará); Curitiba (14/09, Teatro Guaíra); Porto Alegre (15/09, Auditório Araújo Vianna); Brasília (20/10, Auditório Ulysses Guimarães) e Salvador (22/10, Concha Acústica), voltando na sequência para novas apresentações nas cidades do Rio de Janeiro (17 e 18/11, Km de Vantagens Hall) e São Paulo (24 e 25/11, Citibank Hall).

A cumplicidade entre os artistas em cena é fruto tanto da admiração recíproca entre eles quanto da ligação genuína com o samba. “Estar com o Paulinho é como encontrar a alma do samba”, resume Marisa, que completa 30 anos de carreira em 2017. “Para mim, também é muito prazeroso compartilhar essa experiência. O canto de Marisa faz parte de minha memória musical”, ressalta Paulinho, referência no universo do samba e do choro desde a década de 1960.

A afinidade entre ambos vem de longa data. Marisa e Paulinho já haviam dividido o palco em um festival em 1993, um ano antes de a cantora gravar pela primeira vez uma música do compositor – no caso, Dança da solidão. A composição, que batizou álbum de Paulinho em 1972, ganhou a voz da intérprete em antológica gravação feita com a participação de Gilberto Gil para o CD Verde, anil, amarelo, cor-de-rosa e carvão (1994). Em 2000, Marisa registraria no álbum Memórias, crônicas e declarações de amor (2000) outro samba de Paulinho, Para ver as meninas (1971).

As duas composições estão no roteiro do show, ao lado de títulos do cancioneiro da própria Marisa que giram ao redor do universo do samba, casos de Carnavália (Marisa Monte, Carlinhos Brown e Arnaldo Antunes, 2002) e De mais ninguém (Marisa Monte e Arnaldo Antunes, 1994). Contudo, se existe um eixo no qual o roteiro se sustenta, além da obra de Paulinho, é o samba produzido pelos compositores da Velha Guarda da Portela.

Os espectadores das primeiras apresentações do show Paulinho da Viola encontra Marisa Monte, feitas entre maio e junho, já sabem que, após o set inicial do anfitrião, a convidada entra em cena e permanece no palco até o fim do show. Não se trata de uma participação, mas de um show conjunto.

Embora promova basicamente um desfile de sambas conhecidos de Paulinho, de Marisa e dos antigos bambas da Portela, em série de sucessos em que a plateia chega a fazer coro com os artistas, o roteiro também permite que o público ouça sambas menos famosos. O samba que Paulinho compôs pensando em Roberto Carlos, Não quero você assim (1970), é um deles. A composição já tinha sido cantada pelo autor junto com Marisa no show que os uniu em 1993 sob a benção do violonista Raphael Rabello (1962 – 1995), mentor desse primeiro encontro dos dois bambas no palco.

Entre memórias, breves crônicas faladas sobre a Portela e declarações de amor aos compositores da escola, Paulinho da Viola canta, sozinho e com Marisa Monte, músicas que se encadeiam pelo refinamento melódico e poético.  São sambas que passam fluentes como um rio pela memória afetiva dos artistas e do próprio público em encontro histórico pela própria natureza.

Veja abaixo a lista completa das cidades e datas em que os shows serão realizados:

01/09 –  Recife – Classic Hall
02/09 – Fortaleza – Centro de Eventos do Ceará
14/09 – Curitiba – Teatro Guaíra
15/09 – Porto Alegre – Auditório Araújo Vianna
20/10 – Brasília – Auditório Ulisses Guimarães
22/10 – Salvador – Concha Acústica
17 e 18/11 – Rio de Janeiro – Km de Vantagens Hall
24 e 25/11 – São Paulo – Citibank Hall

About author

Luiz Teixeira
Luiz Teixeira 209 posts

Luiz Teixeira, 27 anos, é formado em jornalismo, com especialização em produção e apresentação de telejornal, desde 2009, pela Universidade Anhembi Morumbi. Trabalha desde 2007 na área e atualmente é repórter da Rádio Band News FM, de São Paulo. Natural de Taboão da Serra-SP, criou o site Samba & Pagode depois de um papo entre amigos do meio musical, assessores de imprensa, cantores e músicos.

Também recomendamos

Símbolo do samba, Mario Sérgio, vocalista do Fundo de Quintal, morre no Rio de Janeiro

O samba acordou de luto na manhã deste domingo (29). Vocalista e compositor do Fundo de Quintal, Mário Sérgio faleceu nesta madrugada vítima de um linfoma. A morte do sambista,

Sambista Zé Maria fará show de graça no Centro Cultural Rio Verde, na Vila Madalena

Quem gosta de samba de qualidade e não está afim de gastar em época de crise, a pedida é acompanha o show do sambista Zé Maria no Centro Cultural Rio

Leandro Lehart lança novo CD e DVD inspirado em sucessos do Fundo de Quintal; ouça a prévia

Ex-vocalista do grupo Art Popular e um dos compositores mais conhecidos dentro do gênero do samba e do pagode, o cantor Leandro Lehart está preparando uma surpresa especial para o

0 Comments

Não há comentários ainda

Você pode ser o primeiro a Comentar este post